Como anda sua dívida pessoal com a família?

Contas, investimentos, carnês, depósitos, transferências etc. Estes são alguns dos muitos termos financeiros que fazem parte do dia a dia das pessoas. Pois é, as finanças podem ir bem ou mal, mas como vai a sua vida pessoal e a de sua família? Conheci homens e mulheres que conseguiram um sucesso estrondoso nos negócios, mas ao longo… Ver artigo

3 de agosto de 2011

Contas, investimentos, carnês, depósitos, transferências etc. Estes são alguns dos muitos termos financeiros que fazem parte do dia a dia das pessoas. Pois é, as finanças podem ir bem ou mal, mas como vai a sua vida pessoal e a de sua família? Conheci homens e mulheres que conseguiram um sucesso estrondoso nos negócios, mas ao longo do tempo se tornaram verdadeiros fracassados no convívio familiar.

Para se defender, dizem que é uma opção de vida. No entanto, é inegável que o insucesso na vida pessoal é enorme e é caracterizada pela solidão. A esta altura você já percebeu que o artigo de hoje será um pouquinho diferente. Considero fundamental a família reservar tempo para o lazer, de forma que todos possam esquecer o atribulado cotidiano. Afinal, pais e filhos merecem e devem compartilhar experiências de todo tipo. Os exemplos ficam para sempre.

“A vida há de ser divertida. Momentos de prazer, alegria e diversão devem ser valorizados e trazidos ao cotidiano do lar; um filme novo no cinema garante ótimas lições; assistir ao jogo de futebol ao lado do irmão faz o coração bater mais forte; ao sorrir deixamos de lado os problemas. Lazer, diversão, pois bem.” (Conrado Navarro)

É claro que para se divertir é preciso ter planejamento e algum dinheiro. Um lanche, a ida ao cinema, uma tarde no parque, tudo custa. Mas é possível ter momentos de entrega total que não podem ser dimensionados sob o aspecto financeiro. Pense naqueles momentos que dinheiro nenhum no mundo seria capaz de pagar. Pois é, eles existem, mas estão sendo cada vez mais negligenciados.

O texto de hoje busca, mais do que levar conhecimento financeiro, uma reflexão sobre o que é realmente importante na vida e do por que lutamos tanto para chegar ao sucesso financeiro. E reforça uma constatação: dinheiro é importante, desde que seja plenamente aproveitado junto com quem amamos e não se coloque como razão de discussão e discórdia. O papel do dinheiro é outro.

Uma família com as finanças em dia possui possibilidades de conviver em maior harmonia do que uma família com dívidas e cobradores batendo à porta com constância? Nem sempre. Percebemos a inquietude pessoal em muitas famílias financeiramente estáveis. Um choque de valores que afasta pais e filhos, criando um ambiente de aparência em nome do dinheiro. Algumas famílias preferem o status à felicidade plena.

Nesse contexto defendo que a educação financeira deve ser  apresentada dentro de uma realidade em que pessoas aprendam que o dinheiro e o sucesso financeiro são conseqüências naturais e devem ser conquistados com a ajuda de todos na família. Alguns objetivos precisam ser comuns.

Consumo na frente das metas

Olhe e veja o que você está fazendo em relação à sua vida. Você, leitor que busca informação e conhecimento, deve ser o grande exemplo da casa. Incentive a discussão e mostre que todos estão dentro do “mesmo barco”. Seus filhos o respeitarão por serem ouvidos e tomarão gosto por opinar e participar. E isso facilita muito!

Um bom exemplo: as férias da família. Que tal reunir toda a família, um ano antes, e decidir para onde irão e quanto todos precisarão poupar, juntos? Aprenda que planejar pode ser um exercício